Páginas

30 de mai de 2009

Os 9 maiores foras da lei que se tornaram heróis

1- Phoolan Devi - A Rainha dos Bandidos

"Da bala para o voto e para a bala", foi como um canal televisivo descreveu a trajetória de Phoolan.

Phoolan, cujo nome significa "Deusa das flores", nasceu em agosto de 1963 ao norte da Índia, numa vila do Estado de Uttar Pradesh. Era filha de um agricultor de casta baixa - uma das mais baixas, a dos mallahs. Aos 11 anos foi vendida pelo pai a um homem 20 anos mais velho, em troca de uma vaca. Não aguentando a agressão sexual e as humilhações do casamento, Phoolan fugiu e voltou para a casa dos pais, onde foi rejeitada pela desonra que havia cometido. Sua mãe chegou a lhe recomendar o suicídio.

Phoolan chegou a morar na rua, onde novamente sofreu várias agressões e estupros. Algum tempo depois foi sequestrada por bandidos, com os quais viveu durante anos. Phoolan consagrou-se entre eles e tornou-se líder de um bando. No decorrer das décadas de 70 e 80 comandou centenas de saques pelas cidades, distribuindo comida e dinheiro aos indianos das castas baixas.

Em 1980 foi sequestrada por homens da vila de Behmai. Foi mantida presa por vários dias, sofrendo diversos estupros e agressões diariamente. Mas Phoolan conseguiu fugir e voltou para o seu bando. Já em 1981, cinco meses depois, Phoolan voltou em Behmai onde comandou o massacre que lhe rendeu o nome de Rainha dos Bandidos. Na busca por vingança, 30 homens dispostos em fila foram fuzilados - destes, 22 morreram. No entanto, Phoolan sempre negou a autoria do massacre. Estima-se que Phoolan tenha matado mais de 50 pessoas durante sua vida. Sua cabeça estava a prêmio por US$ 10.400.

Em 1983, depois de quase um ano de negociações, Phoolan se entregou à polícia, no Estado de Madhya Pradesh, diante da população e de repórteres de vários países. Não houve julgamente e Phoolan ficou 11 anos presa, até que a Suprema Corte decidiu liberá-la sob o pedido de Mulayam Singh Yadav - governador de Uttar Pradesh e líder do partido socialista Samajvadi - que retirou as queixas contra ela.

A partir de então, Phoolan tomou outro caminho. Ela juntou-se ao Samajvadi e, em 1996, candidatou-se às eleições pelo partido. 1996 foi o primeiro ano em que as castas baixas puderam votar na Índia. Phoolan foi eleita deputada com milhares de votos. Em 1998, perdeu a cadeira parlamentar, mas foi reeleita em 1999, pelo Distrito de Mirzapur. Durante a vida parlamentar continuou a defender as castas baixas e as mulheres.

Em julho de 2001, no dia 25, Phooan voltava do Parlamento para o almoço em sua casa. Quando saiu do carro, dois homens mascarados dispararam 5 tiros contra ela - 3 atingiram sua cabeça. Phoolan chegou já sem vida ao hospital. O assassinato provavelmente foi cometido em vingança ao massacre de Behmai em 1981. Phoolan vinha recebendo ameaças constantemente, mas seu porte de arma não foi autorizado com base em seu passado.

Parte da história de Phoolan pode ser conferida em vídeo, no filme "Rainha Bandida", 1994, dirigido por Sheknar Kapur.

2- Pancho Villa

Dizem que a origem da carreira de bandido de Doroteo Arango, depois chamado Pancho Villa, teria começado por causa do abuso sofrido pela irmã. Verdade ou lenda, a trajetória desse bandoleiro e revolucionário mexicano fez dele um mito.

No início do século 20, no México, o povo vivia num estado de miséria extrema. Havia cerca de 840 grandes proprietários e 12 milhões os camponeses sem terra no país, que se alimentavam de exclusivamente de tortilhas de milho. Essa situação tornou-se insustentável e provocou a primeira revolução social do século 20: uma revolução mais rural que urbana, cuja influência nos países vizinhos foi marcante.

No final de 1910, o revolucionário Francisco Madero arregimentou as mais diversas forças de oposição ao ditador Porfírio Dias. Entre os recrutados estava Pancho Villa, homem famoso na região de Dourado e Chihuahua, pelo seu passado de ladrão de gado e assaltante de bancos, figura muito popular entre os camponeses, que o admiravam como uma espécie de Robin Hood.

A 20 de novembro de 1910 explodiu a Revolução contra Díaz e, depois da batalha de Cidade Juarez, vencida pelas forças revolucionárias de Pancho Villa e da fuga do ditador, a 25 de Maio de 1911, Madero tornou-se Presidente da República em virtude das eleições de 1° de Outubro. Assim decorreu a primeira etapa da Revolução mexicana.

Em fevereiro de 1913, foi a vez de Madero ser assassinado a mando do general Victoriano Huerta, marcando a abertura de um segundo turno revolucionário. Venustiano Carranza, um dos governadores de província, juntamente com Álvaro Obregon e Pancho Villa pegaram em armas contra o general Huerta, que se exilou do país em 1915. Mas os três vitoriosos - Carranza, Obregon e Villa - se desentenderam e um terceiro turno revolucionário teve início.

Numa única batalha Pancho Villa perdeu a maior parte dos seus efetivos, entre mortos e feridos, nada menos que 14 mil seguidores. Pouco depois, ele foi emboscado pelas forças do governo. Estas duas vitórias militares foram possíveis porque os Estados Unidos, reconheceram o governo de Venustiano Carranza e, além de fornecer armas, permitiram que utilizasse as ferrovias americanas para derrotar Villa. Assim os americanos passaram a ser os maiores inimigos dos revolucionários que estavam com Pancho Villa.

A primeira operação de vingança contra os "gringos" foi violenta. Villa determinou que fossem fuzilados17 engenheiros texanos que estavam no México para reativar as minas do Estado de Chihuahua. Somente um sobreviveu. A opinião pública norte-americana ficou chocada, mas o presidente Woodrow Wilson negou-se a empreender um ato de represália.

Em 9 de março de 1916, porém, Pancho Villa atacou com 500 homens a pequena cidade americana de Columbus, situada na fronteira com o México. Então, o presidente Wilson ordenou que o general John Pershing fizesse uma expedição militar para punir o aventureiro. Desta forma, Villa tornou-se o primeiro inimigo dos Estados Unidos a ser caçado no exterior. O general Pershing levou atrás de Villa, aviões, veículos de combate e 4.800 homens, penetrando quase 480 quilômetros no território mexicano. Mas Pancho Villa estava bem escondido nos altos da Sierra Madre onde ninguém o encontrou.

Por fim, com o desgaste que a presença das tropas americanas trazia para ambos os países, e com a guerra européia, iniciada em 1914, os americanos retiraram seus soldados, que já eram cerca de 10 mil, do solo mexicano. A desocupação terminou no início de 1917. Três anos depois, Pancho Villa foi anistiado pelo governo e retirou-se para uma propriedade em Parral, onde foi assassinado.

3- Lampião,o "Rei do Cangaço"

Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido como Lampião, nasceu em 7 de julho de 1897 na pequena fazenda dos seus pais em Vila Bela, atual município de Serra Talhada, no estado de Pernambuco. Era o terceiro filho de uma família de oito irmãos.

Lampião desde criança demonstrou-se excelente vaqueiro. Cuidava do gado bovino, trabalhava com artesanato de couro e conduzia tropas de burros para comercializar na região da caatinga, lugar muito quente, com poucas chuvas e vegetação rala e espinhosa, no alto sertão de Pernambuco (chama-se Sertão as regiões interiores e distantes do litoral, onde reinava a lei dos mais fortes, os ricos proprietários de terras, que detinham o poder econômico, político e policial).

Em 1915, acusou um empregado do vizinho José Saturnino de roubar bodes de sua propriedade. Começou, então, uma rivalidade entre as duas famílias. Quatro anos depois, Virgulino e dois irmãos se tornaram bandidos. Matavam o gado do vizinho e assaltavam. Os irmãos Ferreira passaram a ser perseguidos pela polícia e fugiram da fazenda. A mãe de Virgulino morreu durante a fuga e, em seguida, num tiroteio, os policiais mataram seu pai. O jovem Virgulino jurou vingança.

Lampião formou o seu bando a princípio com dois irmãos, primos e amigos, cujos integrantes variavam entre 30 e 100 membros, e passou a atacar fazendas e pequenas cidades em cinco estados do Brasil, quase sempre a pé e às vezes montados a cavalo durante 20 anos, de 1918 a 1938.

Existem duas versões para o seu apelido. Dizem que, ao matar uma pessoa, o cano de seu rifle, em brasa, lembrava a luz de um lampião. Outros garantem que ele iluminou um ambiente com tiros para que um companheiro achasse um cigarro perdido no escuro.

Comparado a Robin Hood, Lampião roubava comerciantes e fazendeiros, sempre distribuindo parte do dinheiro com os mais pobres. No entanto, seus atos de crueldade lhe valeram a alcunha de "Rei do Cangaço". Para matar os inimigos, enfiava longos punhais entre a clavícula e o pescoço. Seu bando seqüestrava crianças, botava fogo nas fazendas, exterminava rebanhos de gado, estuprava coletivamente, torturava, marcava o rosto de mulheres com ferro quente. Antes de fuzilar um de seus próprios homens, obrigou-o a comer um quilo de sal. Assassinou um prisioneiro na frente da mulher, que implorava perdão. Lampião arrancou olhos, cortou orelhas e línguas, sem a menor piedade. Perseguido, viu três de seus irmãos morrerem em combate e foi ferido seis vezes.

Grande estrategista militar, Lampião sempre saía vencedor nas lutas com a polícia, pois atacava sempre de surpresa e fugia para esconderijos no meio da caatinga, onde acampavam por vários dias até o próximo ataque. Apesar de perseguido, Lampião e seu bando foram convocados para combater a Coluna Prestes, marcha de militares rebelados. O governo se juntou ao cangaceiro em 1926, lhe forneceu fardas e fuzis automáticos.

Em 1929, conheceu Maria Déa, a Maria Bonita, a linda mulher de um sapateiro chamado José Neném. Ela tinha 19 anos e se disse apaixonada pelo cangaceiro há muito tempo. Pediu para acompanhá-lo. Lampião concordou. Ela enrolou seu colchão e acenou um adeus para o incrédulo marido. Levou sete tiros e perdeu o olho direito.

O governo baiano ofereceu 50 contos de réis pela captura de Lampião em 1930. Era dinheiro suficiente para comprar seis carros de luxo.

Lampião morreu no dia 28 de julho de 1938, na Fazenda Angico, em Sergipe. Os trinta homens e cinco mulheres estavam começando a se levantar, quando foi vítima de uma emboscada de uma tropa de 48 policiais de Alagoas, comandada pelo tenente João Bezerra. O combate durou somente 10 minutos. Os policiais tinham a vantagem de quatro metralhadoras Hotkiss. Lampião, Maria Bonita e nove cangaceiros foram mortos e tiveram suas cabeças cortadas. Maria foi degolada viva. Os outros conseguiram escapar.

O cangaço terminou em 1940, com a morte de Corisco, o "Diabo Loiro", o último sobrevivente do grupo comandando por Lampião.

4- Billy the Kid

Billy the Kid é uma lenda no Oeste Americano. Embora tivesse vivido apenas 21 anos foi um dos mais ativo e respeitado fora-da-lei da região compreendida entre o sudoeste americano e norte mexicano. A história relata seu envolvimento em dezenas de tiroteios, mais de 20 homicídios, fugas espetaculares e até na liderança de um bando de assassinos em uma guerra particular no Novo México. O certo é que este prematuro fora-da-lei teve também sua carreira encerrada muito cedo ao ser emboscado e morto no Fort Summer pelo xerife do Novo México, Pat Garret.

Os Jovens Anos de Billy the Kid

Nascido na cidade de New York em 23 de novembro de 1859 com o nome de Henry McCarty, perde o pai logo em seguida. A mãe Catherine muda-se com ele e o irmão para Indiana onde casa-se novamente com Bill Antrim.

Mudam-se novamente, primeiro Wichita (Kansas), depois Santa Fé e finalmente Silver City (Novo México) onde também sua mãe adoece e morre. Henry, ou Billy tinha então 14 anos. Em Silver City é preso e acusado de roubo, mas foge da prisão e vagueia pelo deserto americano e mexicano praticando furtos de cavalos.

Aos 17 anos, no Arizona, pratica contra um ferreiro seu primeiro homicídio. Foge para o Novo México e dedica ali sua atenção aos furtos de cavalos e mimo ás mulheres mexicanas, com quem adquire boa popularidade. No Condado de Lincoln arruma emprego na fazenda dos Tunstall onde cria forte amizade com o proprietário.

A Guerra do Condado de Lincoln e os Reguladores

Em 1878 numa disputa por posses de terras entre os Tunstall e outro fazendeiro da região, Jonh Tunstall é assassinado. Tomado por forte sentimento de lealdade e desejo de vingança Billy une-se a um grupo de pistoleiros intitulados "Os Reguladores" e juram caça aos culpados pela morte de seu estimado patrão.

Os Reguladores espalham pânico e terror na região executando sumariamente todos os suspeitos de participação naquela disputa de terras. Billy, então, embosca o xerife Brady e seu auxiliar e juntamente com Os Reguladores vingam-se da morte de Tunstall.

Agora a guerra continua com a participação de forças militares contra Os Reguladores culminando num longo e sangrento episódio conhecido com a Batalha de Lincoln. Billy escapa ileso, forma novo bando e volta a roubar gados na região.

O Fim do Fora-da-Lei

Pat Garret, um obstinado xerife do Novo México após fracassar num primeiro confronto com Billy de Kid, finalmente surpreende-o num rancho do Fort Summer matando-o a "queima-roupa".

Era 14 de julho de 1881 terminava assim a carreira daquele jovem pistoleiro que enveredara pelo mundo do crime e viraria um misto de herói e bandido, embora tivesse vivido tão pouco, apenas 21 anos de uma atribulada vida no oeste americano.

Vivendo em Hico, Texas, até 1950?

Billy the Kid ficou conhecido por inúmeros nomes: William Boney, Kid Antrim, William Antrim, Jr. e, naturalmente Henry McCarty seu nome de batismo.

Mas há os que defendem uma outra identidade para Billy: Brushy Bill Roberts. Segundo estes, Billy teria escapado ás balas de Garret e fugido para o México. Depois vagueado pelo oeste e finalmente se estabelecido na cidade de Hico, Texas, onde ficara até morrer, em 1950, como Bill Brushy.

Em meio a fotos, testemunhos e túmulos esta versão tem gerado ainda mais polêmica á incrível e relâmpago vida deste ícone do velho oeste americano: o lendário Billy the Kid, o fora-da-lei.

5- Salvatore Giuliano

Comumente, em comparação com a lenda de Robin Hood, Salvatore Giuliano (1922 - 1950) foi um camponês siciliano famoso devido a notícias relacionadas a ele ajudar os pobres aldeões na sua área, tomando dos ricos. O milenar estatuto social da sua classe levou-o a se tornar um bandido e separatista que foi endeusado durante sua vida e após a sua morte.
Como um membro do Movimento Independentista siciliano, Giuliano ativamente fez esforços em ganhar a independência para a ilha a partir do governo italiano. Sua história ganhou atenção na mídia mundial, em parte devido ao seu belo aspecto, incluindo recursos na revista "Time".
Ele nasceu em 16 nov. 1922 na aldeia de montanha oeste siciliano Montelepre que significa "A Montanha da lebre". Ele foi o último de uma longa linha de bandidos sicilianos da montanha e o último dos "honrosos" homens.Os bandidos das montanhas da Sicília não têm nada a ver com a cidade dos mafiosos. Eles eram um grupo com um código especial de honra e moral. Eles eram verdadeiramente os amigos dos pobres e eles deram livremente de seus roubos dos ricos para os pobres. Turridu (o diminutivo de Salvatore) não foi diferente, e até hoje você vai encontrar pessoas mais velhas das aldeias das montanhas a cerca de Palermo, que ainda elogiam o seu modo.
Salvatore fui para a escola até ao fim da escola primária, momento em que ele tinha de ir trabalhar, mas ele não parou de estudar. Ele era um homem muito bom em ler e com uma grande quantidade de cultura para um siciliano "Campagnolo" e usou seu conhecimento para ajudar as pessoas. Giuliano caiu na vida no banditismo, como muitos, saiu da necessidade.
Após a morte do pai, seu irmão mais velho foi chamado para a guerra. Então foi Salvatore, com apenas vinte anos, no momento, o responsável a fornecer as necessidades de sua família.
Ele era inexperiente do modus operandi utilizado na movimentação de trigo, e assim por diante, em 2 set 1943, ele deparou com uma patrulha de dois guardiães do país e dois carabineiros (polícia rural). Suas orações e explicações foram de não utilização. Ele foi acusado de contrabando de dois sacos de trigo em cerca de quarenta quilos cada. Eles apreenderam sua mula e trigo. Eles queriam levá-lo à prisão e os "American guarnição".
O jovem Giuliano tentou fugir, mas os soldados dispararam seis vezes contra ele.Ele foi atingido duas vezes em seu quadril. O carabiniero Giuseppe Mancino foi condenado a acabar com ele, se ele ainda estivesse vivo. Giuliano, que ouviu isso, saltou à frente e feriu gravemente o guarda com uma pistola que tinha guardado na sua inicialização. O soldado morreu de seus ferimentos no dia seguinte, enquanto Giuliano recuperou sua plena saúde após um mês lutando por sua vida. Ele então buscou refúgio nas montanhas ao redor de Montelepre.

E esta é a forma como se tornou o último Turrido bandido da Sicília. Na sua política ele era anti-comunistas, anti-Mafioso e um dos líderes do movimento separatista na Sicília. Ele foi vilmente assassinados em seu sono no dia 5. De julho de 1950 pelo seu próprio primo sob ordens da máfia Palermo Dons.

6- Ishikawa Goemon: o japonês bandido que foi cozido vivo

Na literatura japonesa há inúmeros contos sobre Ishikawa Goemon um lendário fora-da-lei, comparável a Robin Hood.
Goemon, cujo nome completo é Ishikawa Goemon (1558-1594) foi um bandido herói lendário que roubou ouro e valores para dar aos pobres. Há poucas informações históricas sobre Goemon , e assim ele se tornou um herói, cujos antecedentes e origens têm sido amplamente especulados. Ele foi notável por ser cozido vivo após uma falha na tentativa de assassinato de Toyotomi Hideyoshi. Um grande caldeirão de ferro em forma de banheira é agora chamado um Goemon-Büro (Goemon-banho).

Em uma versão da história, Goemon tentou assassinar Hideyoshi para vingar a morte de sua esposa e captação de seu filho, Gobei. Ele encontrou Hideyoshi da sala, mas bateu uma campainha fora de uma mesa. O barulho acordou os samurais e ele foi capturado. Ele foi condenado à morte sendo cozido vivo em um caldeirão de ferro. Ele foi executado em frente ao portão principal do Templo Nanzenji em Kyoto. Seu filho também foi colocada no caldeirão, mas foi dito que o filho Goemon ficou acima da água fervente até a sua morte

7- Dick Turpin

Um infame Inglês desonesto, Richard Turpin (1705 - 1739) foi talvez o maior da Grã-Bretanha. Turpin era engajado na caça ilegal, roubo, desvio de gado, furto de cavalo, roubo e homicídio nas estrada antes de ser executado em York. Após sua morte, como "Dick" Turpin, ele se tornou o tema da lenda, romantizada como arrojado e heróico em Inglês baladas e teatro popular do século 18 e 19 e no cinema e na televisão do século 20. Há divergência entre história e lenda.
Ele nasceu no condado de Essex, em 1706 , um país agricultor. Quando jovem, ele se tornou aprendiz de açougueiro e logo criou sua própria loja nos arredores de Londres.

Mas, em vez de confiar em fornecedores legítimos, Turpin roubou ovinos, cordeiros, e os bovinos, um crime punível com pena de morte. Ele foi logo apanhado ao roubar dois bois e fugiu da área, deixando a esposa e os negócios.

Turpin entrou para a Gregory Gang. Esta tropa era especializada em invadir domicílios onde torturava mulheres para faze-las revelar os valores escondidos.
Após a dissolução da Gregory Gang, seus membros passaram a roubar quintas isoladas. Em finais de 1737, Turpin tinha alcançado tal notoriedade que outra recompensa foi colocada em sua cabeça - uma recompensa, que foi para ele a partir de um salteador transformar em um assassino.

Turpin roubava em Yorkshire sob o pseudónimo "John Palmer" e se passava como um cavalheiro agricultor .Foi condenado a forca.
Chegando a forca, ele fez um discurso de trinta minutos para entreter a multidão. Então ele agarrou a corda, jogou-a sobre o seu pescoço, e pulou fora da escada. Ele morreu cinco minutos depois.

8- Ned Kelly

Na Austrália do século XIX, a polícia da colônia de Victoria já sabia quem procurar quando precisava de um culpado para qualquer delito: irlandeses ou descendentes, pobres e sem instrução, nascidos na zona rural. Se a suspeita não se confirmava, o sangue quente dos buliçosos irlandeses, inimigos figadais dos ingleses, que mandavam no governo, se encarregava de torná-la realidade.

Edward Ned Kelly era fruto desse meio. Nasceu em 1854 em Beveridge, um covil que abrigava ladrões como seu pai degredado da Irlanda por roubar dois porcos , avô e tios. Acabou por se tornar o maior deles. A Austrália, surgida como uma gigantesca colônia penal, até hoje louva a saga de seu mais famoso fora-da-lei. Ned Kelly virou uma lenda que deu origem a pelo menos seis filmes o mais famoso, de 1970, tinha o roqueiro Mick Jagger no papel principal e dezenas de livros, como o recente e premiado A História do Bando de Ned Kelly, de Peter Carey.

Nos anos de 1870 e 1871, Ned foi preso por assalto e roubo, repetindo a sina de todos os seus irmãos. Tudo indica que ele fosse inocente: mais uma vítima da implicância policial. Segundo a carta de Jerilderie, documento de 1879 em que o bandoleiro narra sua versão dos fatos, os primeiros crimes foram cometidos só depois, quando a perseguição não permitia que sua família vivesse em paz. Ned começou roubando cavalos e só ficaria mais ousado a partir de 1878, após a supostamente injusta prisão de sua mãe.

Foram oferecidas 100 libras pela sua cabeça. Num dos confrontos com a lei, ele matou três policiais numa fuga, o que quintuplicou o prêmio para quem o capturasse ou o matasse. Nos anos seguintes, o valor atingiu 2000 libras, o equivalente hoje a aproximadamente 500000 reais só para comparar, a polícia do Rio de Janeiro recentemente ofereceu 50000 reais pela captura do traficante Elias Maluco.

Mas Ned não se intimidou e respondeu na mesma moeda: passou a oferecer prêmios pelas cabeças dos chefes da polícia local. Ele e seus amigos realizaram assaltos espetaculares aos bancos em Euroa (1878) e Jerilderie (1879).

O último confronto do bando com seus perseguidores aconteceu em Glenrowan, em 28 de junho de 1880. Entrincherados em um hotel, Ned, seu irmão Dan, Joe Byrne e Steve Hart improvisaram armaduras de ferro que lhes cobriam o peito e a cabeça (como as da ilustração ao lado). O tiroteio durou 12 horas e só acabou com a morte de todos os membros do bando, menos um: Ned Kelly, preso depois de levar 28 tiros nas pernas e enfrentar sozinho cerca de 50 agentes da polícia.
Ned foi enforcado em Melbourne em 11 de novembro daquele ano, apesar dos apelos de sua mãe e das 60000 assinaturas contrárias à sua execução. Cortaram-lhe a cabeça e enterraram seu corpo no pátio da prisão. Hoje, ninguém sabe do paradeiro desses restos mortais, o que aumenta ainda mais o fascínio da lenda de Ned Kelly.

9- Belle Starr

Belle Starr foi uma das mulheres selvagens do Ocidente - um bandido que faria qualquer coisa por um lucro. "Bandit Queen" nasceu Myra Belle Shirley no Missouri, em 8 de fevereiro de 1848. Enquanto uma criança, sua família se mudou para o Texas. Myra foi mal na sua adolescência, quando ela começou a associar com maus elementos no seu bairro. Ela tinha feito amizade rapidamente com um casal de conhecidos Capuzes pelo nome de Frank e Jesse James.
Ao longo dos próximos anos, ela entrou em um relacionamento com um membro de sua gangue, Cole Younger e teve um filho com ele. Ela foi agora estabelecida como um membro da comunidade foragida. Separada de Younger ela casou com um ladrão de cavalos conhecido pelo nome de Jim Reed e teve um filho com ele. Não demorou muito e Reed foi morto em um tiroteio. Belle, em seguida, mudou-se para o Território Índico onde ela entrou em seu segundo casamento, desta vez com um Índio Cherokee desonesto conhecido pelo nome de Sam Starr. O jovem bandido formava uma turma de onde o cérebro por detrás dessas operações, quem planejava cuidadosamente cada jogada, foi a mulher que já foi conhecida como Belle Starr.
Sam e Belle encontraram na vida bandida muito lucro. Ela pode usar seu dinheiro para subornar liberalmente a liberdade de qualquer membro da gangue que fosse capturado. Caso contrário, ela iria tentar com seu charme feminino, quase sempre alcançar o seu fim - a libertação dos compatriotas.

A solução mais próxima à Starr gangue da operação foi Fort Smith. O local era do famoso Magistrado Juiz Isaac Parker - o juiz que gostava de enforcamento. Parker se tornou determinado a colocar Belle Starr atrás das grades. No entanto, toda vez ela estava em liberdade por falta de provas. No Outono de 1882, no entanto, Parker teve sorte quando foi capturar Belle quando ela tentou roubar um cavalo. Ele finalmente tinha algo que serviria como prova. Depois de um julgamento, Belle foi condenada a seis meses de prisão. Após nove meses de trabalho para deixar que ela era bom comportamento.

Belle ficou atrás das grades, no entanto, não fez nada para mudar a sua vida em seu curso escolhido. Após a libertação ela foi direto de volta para sua vida de roubos. Em 1886 ela se tornou novamente uma viúva quando o Sam foi mortalmente baleado em uma festa. Não desperdiçando seu tempo de luto, Belle logo começou a ter uma relação com um jovem bandido que correu sob o improvável nome de Blue Duck. Blue Duck teve-se em águas profundas, quando assassinou um agricultor local. A prova foi esmagadora, e ele foi logo em pé no banco dos réus antes do juiz enforcador. Belle porém não estava disposta a ver o seu amante enforcado. Ela contratou os melhores advogados do Distrito. Eles acabaram apelando o caso a Casa Branca. O Presidente Grover Cleveland comutou a pena de morte para prisão perpétua.
Em 1889 Belle entrou em seu terceiro casamento, desta vez com um bandido muito mais novo com o nome de Jim julho. Esse casamento, porém, seria a morte dela. A relação foi particularmente tempestuosa.

Após uma feroz briga, julho foi relatado por ter oferecido a um cúmplice $ 200 para matar sua esposa. Quando a oferta foi rejeitada, jul. gritou, "Inferno - Eu vou matar a velha bruxa e gastar o dinheiro com o uísque!" Alguns dias mais tarde Belle Starr, o Bandit Queen, foi baleada à morte em uma emboscada em uma solitária estrada do país. Ela tinha 41 anos de idade.

8 comentários:

  1. PRA MIM O MAIOR FORA DA LEI FOI ZÉ PEQUENO

    ResponderExcluir
  2. JASSE JAMES PRA MIM FOI MAIS FORA DA LEI QUE BILLY DE KID,BILLY APENAS FEZ FAMA POR CAUSA DA SUA POUCA IDADE E NAO PASSOU DOS 21,JASSE FOI MORTO AOS 34 ANOS E SÓ MORREU PQ FOI TRAIDO E ASSASSINADO PELAS COSTAS POR UM MEMBRO DO SEU BANDO,MAS O NOSSO BRASILEIRO LAMPIAO PRA MIM QUEM BOTOU MAIS TERROR DE TODOS,ATÉ MAIS QUE JASSE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só fala merda.
      Billy the kid e Jesse James viveram em época diferente do lampião.
      E o Billy the kid e maior de todos os pistoleiros.

      Excluir
    2. Billy The Kid só matou 4 pessoas seu trouxa, incluindo 2 carcereiros que ele matou em um ato de desespeiro, ele mesmo disse em uma carta que se arrependeu de todos os assassinatos, Jesse James matou mais de 16 pessoas, assaltou trens, e foi considerado o maior pistoleiro do velho oeste

      Excluir
  3. pra mim foi o zé costela e o tigrão garanhão

    ResponderExcluir
  4. Pra mim o maior fora da lei que existiu foi will munny !!!

    ResponderExcluir
  5. Pow na moral jesse james sem duvida...

    ResponderExcluir
  6. o Lula ladrão é o pior

    ResponderExcluir

Veja também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...