Páginas

13 de dez de 2009

Hospital público do Rio tem acervo de objetos engolidos por pacientes


Inspirados em histórias como a da mulher que engoliu um cordão de ouro para não ser flagrada pela polícia, o Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio, expõe em seu hall de entrada objetos nada convencionais que foram engolidos pelos pacientes nos seus mais de 100 anos de existência..

Entre as histórias mais conhecidas está a de um pai que obrigou o próprio filho a engolir um mini escudo do Fluminense. A aposta feita com um amigo durante o jogo do tricolor com o Flamengo obrigava o torcedor a engolir o escudo do time perdedor. Como o pai não teve coragem de ingerir o objeto de aproximadamente 3cm, pediu que o filho de apenas três anos cumprisse a aposta. A data da ocorrência se perdeu no registro de papel, mas o nome do médico e a história ficaram na memória da instituição.



“Virou tradição aqui no Souza Aguiar guardarmos objetos esquisitos que as pessoas ingerem. Muitas vezes, as histórias são curiosas, outras se tornam trágicas, porque precisamos fazer cirurgias para retirar esses objetos”, contou o diretor do hospital, Josué Kardec.

Aparelhos usados há 50 anos

Anéis, pedras e moedas são os objetos mais comuns ingeridos pelos pacientes. No acervo, estão ainda ossos de galinha, alfinetes e agulhas. Segundo Kardec, o procedimento para retirar uma agulha, por exemplo, pode ser feito fazendo com o paciente ingerindo chumaços de algodão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Veja também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...