Páginas

24 de ago de 2010

Dicas para impressoras Epson

Por Nezumi

Tenho visto defensores de impressoras da marca A, B ou C. O que vou postar aqui não implica em nenhuma preferência de uma em detrimento das outras. Todas possuem qualidades e defeitos.

No caso, vou relatar algumas experiências com as Epson: como aproveitar suas vantagens e superar o principal problema que são os entupimentos.

Abordando corretamente a questão, esta impressora apresenta um baixo custo operacional, ao contrário do que muitos acreditam. São impressoras de mecânica bastante robusta e se forem bem compreendidas vão proporcionar muitos anos de boas retribuições.


PARTE 1 – Desentupimento da cabeça de impressão

Quando a limpeza padrão por software não resolver o problema de falhas de impressão, é necessário partir para outras formas de desentupimento. Sucessivas e insistentes limpezas por software podem provocar a queima de fusíveis de proteção existentes na placa da impressora em alguns modelos identificadas como F1 e F2. Por isso, dê algum intervalo de tempo entre uma limpeza e outra.

Os métodos descritos a seguir aplicam-se a casos de entupimento nos injetores em impressoras que estejam funcionando (isto é, que ligam, armam o carrinho e reconhecem os cartuchos). É um processo manual e pode ser executado por um usuário comum e sem conhecimento técnico. Não há necessidade de abrir a impressora nem trocar qualquer peça. Em alguns casos pode ser demorado e bastante trabalhoso, como nos casos de impressoras paradas há muito tempo (meses e anos até), mas na maioria das vezes tem solução. Impressoras encostadas sem os cartuchos no carrinho são mais difíceis de recuperar.

É altamente recomendável que a impressora já tenha instalado nela o reservatório externo de descarte de tinta.

Como podem ser necessárias várias operações de limpeza por computador, é impensável fazer isso com cartuchos originais devido ao custo. Use cartuchos recarregáveis ou bulk ink com tinta corante que é mais econômico.

Material necessário:
- Uma seringa de injeção de 10 ou 20 ml com agulha.
- Mangueira de soro de hospital ou veterinário, de diâmetro que dê para encaixar na seringa sem a agulha.
- Líquido desentupidor encontrado nas casas ou sites que vendem a tinta. Não use líquido desentupidor à base de amoníaco que é muito corrosivo, dizem. Se estiver “no mato sem cachorro”, prepare uma solução de Veja Multiuso tradicional (embalagem verde) diluído com água, meio a meio. Esta alternativa (da Veja Multiuso) alcança um resultado intermediário e só resolve casos mais simples.

a)      Método intermediário
Use este método para pequenas falhas nos injetores.
- Retire o cartucho da cor que está falhando. Aplique uma gota de líquido desentupidor diretamente na saída de tinta do cartucho.
- Recoloque o cartucho no carrinho e efetue um nozzle check (verificação dos jatos).
- Caso persista o entupimento, repita a operação.
- Se não solucionar, retire o cartucho e coloque a mangueira (uns 10 cm) com a seringa vazia no pino do carrinho com o intento de puxar a tinta da câmara com a sujeira que está causando o entupimento. Se necessário retire outros cartuchos para facilitar a operação de colocação da mangueira.
- Faça novo teste de nozzle check, e a cada teste vá observando o padrão do entupimento. Se for variável é porque requer limpezas sucessivas até estabilizar com todos os injetores em funcionamento. Se o padrão não variar, isto é, a falha ocorre nos mesmos injetores, será necessário tentar outro método. 
- Resista à tentação de empurrar o êmbolo na intenção de expulsar a sujeira pelos injetores. Isso irá obstruir de vez a cabeça ou, o que é pior, poderá romper uma membrana da cabeça de impressão se for aplicada pressão excessiva.

b)      Método persistente

- Prepare 4 (ou 6) pedaços de mangueira de silicone com 10 a 12 cm cada uma para cada cartucho.
- Desloque o carrinho para a posição de substituição de cartuchos.
- Retire os cartuchos das cores entupidas e encaixe as mangueiras nos pinos. Se necessário, retire todos para facilitar a operação e recoloque os que não irão receber a mangueira.
- Com a seringa com agulha, coloque o fluido desentupidor em cada uma das mangueiras.
- Recolha o carrinho e desligue a impressora.
- Deixe pelo menos uma ou duas horas de molho para que a tinta ressecada possa ser dissolvida ou desagregada das paredes da câmara.  Em alguns caso pode ser necessário deixar de um dia para outro, ou até por vários dias.
- Após esse período pegue a seringa vazia e sem agulha e encaixe na extremidade superior da primeira mangueira e puxe o êmbolo para sugar o líquido. A intenção é puxar o líquido com a sujeira. Despeje fora o líquido da seringa e repita a operação em cada uma das mangueiras. Se desejar, pode-se repetir tudo como se estivesse enxaguando a câmara.
- Recoloque os cartuchos de volta, mas não imprima nada. Execute primeiro uma limpeza para forçar uma recarga de tinta na câmara. Só então faça o nozzle check e outras impressões maiores para testar a estabilidade do desentupimento.

Se imprimir com falhas, é só entender que é um processo, e que os entupimentos irão mudando de lugar, até a estabilização final. Também pode acontecer de voltar a entupir e nos casos mais severos pode ser necessário repetir o procedimento.

Caso persista o problema, aí tem que ser investigado se é a tinta em uso, a tinta ressecada dentro do cartucho, ou novas sujeiras desagregadas da câmara de impressão , ou cartucho com desgaste com falhas no encaixe (não pode entrar ar nos injetores). Pode ser necessário mudar os cartuchos velhos. Mas guarde os cartuchos velhos para ter chips de reserva em caso de queima.

A primeira Epson com cartucho recarregável que comprei foi usada por mais de 5 anos e a aposentei por desgaste da parte inferior do carrinho. Foi aposentada ainda em funcionamento e tendo sido aposentada com mais de 40.000 ciclos de impressão. Eu não tive prejuízo com a C65. Já não tive a mesma sorte com a T24, que achei frágil demais.


Parte 2 – Tinta corante e pigmentada

A tinta corante presta-se ao uso geral, mas não para impressão em papel couchê porque dissolve o verniz.

Para impressão de rótulo em CD a tinta corante é mais apropriada por ser de rápida secagem.

Embora não seja à prova d’água, a tinta corante quando usada em papel fotográfico  pode-se colocar até embaixo da torneira que não irá borrar. Por outro lado, é menos resistente aos raios UV e quando exposto à luz, irá sofrer desbotamento.

Aí é que entra a tinta pigmentada, a “Durabrite genérica”. No papel comum, a corante leva vantagem, mas no papel fotográfico e no couchê a pigmentada mostra seu valor. A resolução máxima da impressora aparece nos mínimos detalhes e as cores são muito mais vivas.

A tinta pigmentada custa dez vezes mais que a corante. Mas vale a pena ter uma C65 ou C67 com cartucho com chip full só para impressões com tinta pigmentada.

Agora, a informação mais valiosa do dia: não é qualquer papel couchê que dá bom resultado. Em minhas experiências o ÚNICO que deu certo para inkjet com tinta pigmentada é o papel LUMIMAX  da Votorantim. Não é propaganda: é dica mesmo. Pode até existir outro, mas desconheço.

O papel adesivo com brilho da marca Jac também se comporta bem com a tinta pigmentada.

Ao imprimir em couchê, escolha a opção photo ou photo enhance e selecione papel fotográfico, glossy ou semi-glossy para explorar ao máximo a resolução da impressora, e também para diminuir a velocidade de impressão.

Esta tinta demora horas para secar e não é resistente a manuseios. Para melhorar a resistência, aplique uma FINA camada (borrifada mínima) com verniz fosco da Acrilex. É a melhor em preço e resultado. Pode ser aplicada pouco depois da impressão e seca em alguns minutos.

Por fim existe a tinta sublimática sobre a qual nada tenho a dizer, porque não tenho experiência.


Parte 3 – Impressora Epson que “imprime em branco”

Esta é uma característica de impressora com fusível F1 e/ou F2 queimada. A impressora arma, movimenta o carrinho, reconhece os cartuchos e faz a limpeza, tudo direitinho. Só que na hora de imprimir, nem num tracinho, sequer um pontinho.

Passei por esta situação ao comprar uma R200 “no escuro” pela net. Comprei como entupida, e realmente a impressora estava “quase” boa. Sem saber mais o que fazer depois de usar tudo que sabia, encostei a impressora num canto e lá ficou por uns 2 anos.

Um belo dia, resolvi pesquisar o problema nos fóruns e um abençoado técnico postou a solução para outro usuário que tinha o mesmo problema. O técnico passou uma bola bem redonda, com fotos e tudo, embora de outra impressora. A placa tem a indicação dos fusíveis com serigrafia e a localização varia de uma placa para outra.

Falei com um técnico conhecido meu. Ele desconhecia a solução mas topou botar a mão na placa. Ele retirou as SMD de uma outra impressora condenada e o conserto ficou por incríveis R$ 30,00.

IMPORTANTE: não é fusível comum de tubinho de vidro. São componentes chamados SMD, soldados na placa.

Muitos desconhecem a causa deste defeito e condenam a cabeça de impressão que é muito mais cara, e não resolve o problema.

Ao procurar o técnico, não se esqueça de citar as palavras-chave F1, F2, serigrafia e SMD.

Nezumi

13 comentários:

  1. Olá, nós vendemos e concertamos praticamente todos os tipos de impressoras e estamos colocando atualizações sempre em nosso blog, siga-nos também!

    ResponderExcluir
  2. Tô com problema na minha impressora epson T24.
    Explico: instalei um bulk ink na bendita que tava me comendo pelas pernas com o preço dos cartuchos.
    Agora tá com sombra as impressões normais.
    A cada 5 linhas o carro de impressão vai para o lado esquerdo onde descarrega tinta e volta imprimindo recobrindo a impressão anterior mas de modo atrasado ficando assim uma sombra, matando o documento. Alegria para o pessoal da Epson que eu como usuário me ferre de verde-amarelo.
    Já limpei a cabeça de impressão fisicamente, já fiz 100 limpeza de impressão via software, limpei toda a tinta esparramada dentro da impressora via Epson que com seu "programa de limpeza" acaba com a tinta dos nossos cartuchos e encharca os feltros...
    Conto com sua ajuda para resolver mais esta bomba.

    ResponderExcluir
  3. Com este papel couchê LUMIMAX da Votorantim, consigo imprimir com tinta sublimática sensient sem que a tinta solte nos dedos? Comprei tinta pigmentada mas não consigo impressão fotográfica que preste....

    ResponderExcluir
  4. Uso a epson t1110 com papel e tinta sublimáticos e todas minhas impressões, e uma hora pra outra, estão saindo com um pontilhado - carretilha.
    o que posso fazer para corrigir isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. to com o mesmo problema, conseguiu resolver?

      Excluir
    2. to com o mesmo problema, conseguiu resolver?

      Excluir
  5. Estou com o mesmo problema na minha T1110, alguém conseguiu resolver isso ?

    ResponderExcluir
  6. Também estou com esse problema sai um fileira pontilhada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, todas que peguei com esse erro, retirei a peça, lavei e lubrifiquei os rodilhos, tirei o excesso e ficou 10. espero que ajude.

      Excluir
  7. Comigo idem, acontece o mesmo problema, sai fileiras pontilhadas, como resolver? Ajudem por favor.

    ResponderExcluir
  8. olá boa noite sou artur do rj e preciso do reset da t1110 por favor ! será que algum mestre poderia por favor arturmsilva16@hotmail.com

    ResponderExcluir
  9. Não sei se alguém ainda está procurando a resolução pra esse problema, mas depois de assistir esse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=KEYY0_s9gOE eu entendi de onde vinham as marcas no papel !

    Eu sou medrosa e fiquei com medo de tirar a placa para limpar, então com um cotonete úmido e um seco, eu fui esfregando as roldaninhas até parar de sair tinta no cotonete ...

    Depois de muitos cotonetes, minha impressão voltou a sair limpa novamente.

    Espero ajudar !

    ResponderExcluir

Veja também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...